sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Resenha: A Menina que Colecionava Borboletas


Nome de Publicação: A Menina que Colecionava Borboletas
Autora: Bruna Vieira
ISBN: 9788582351222
N° de Páginas: 152
Edição:
Editora: Gutenberg

Sobre a Autora: Não sei como ou quando ouvi falar da Bruna. Talvez por estar sempre na internet, acabei me deparando com ela. Bruna tem 20 anos e saiu do interior de Minas ( <3 ) aos 17,  para se mudar para São Paulo e lá construiu uma carreira muito bem sucedida. É colunista de revista, e esse já é seu terceiro livro publicado.

Sinopse: Bruna Vieira está cada vez mais longe dos quinze, e sabe que crescer nunca é tão simples. Considerada uma das blogueiras mais influentes do mundo, mais uma vez ela dá vazão ao seu talento como escritora com este seu novo livro de crônicas e pensamentos, em que mostra o quanto amadurecer e conquistar a independência é maravilhoso, mas tem seus desafios e poréns. A garota do interior que usa batom vermelho e que realizou seus maiores sonhos continua inspirando adolescentes de todo o país. Para ela, as páginas deste livro significam o bater de asas das borboletas que colecionou dentro do peito por algum tempo e que agora, finalmente, pode deixar que voem livres por aí.

Marca Páginas: 

Esse é antigo, não lembro onde peguei, e nem sabia que o Pequeno Nicolau tinha livro. Foi bom saber. 










Período de Leitura: Primeiro livro de 2015, e agora anotei os dias, pra não esquecer. Comecei a ler no dia 1°, daí tive dias mega ocupados em que não li nada. Voltei no dia 5 e terminei nesse dia mesmo. O tempo total de leitura acredito eu que foi em torno de uma hora e meia.

Resenha: Bruna tem um romance e um livro de crônicas publicados, sendo esse seu terceiro livro, segundo de crônicas. Nunca tinha lido nada dela, mas sempre tive curiosidade. E a capa me comprou de vez, com ilustração bacana e borboletas azuis. Sim, eu julgo livros pelas capas, mas às vezes isso é bom.

As crônicas do livro tratam de tudo um pouco, mas o principal foco são nos relacionamentos amorosos. Bruna escreve tão bem, porém, que mesmo assuntos nos quais geralmente não me interesso, como esse, passaram despercebidos , ante ao jeito que ela lida com as palavras. São coisas que eu noto muito facilmente, o jogo de palavras e a construção das frases, e Bruna sabe brincar com isso muito bem. 

O relato é bem pessoal e, mesmo sem nunca ter lido nada sobre a autora, foi como se já a conhecesse muito bem depois da leitura. Vibrei com o fato dela ter hipermetropia (e calma, não é porque sou má. É porque todo mundo tem miopia, daí achei super "legal" o fato de uma autora ter o mesmo defeito que eu na visão. Tirando minha mãe, não conhecia mais ninguém no mundo) e adorei quando ela mostrou seu lado mineira, assim como seu lado "estrangeira", numa cidade com costumes tão diferentes dos seus.

Parei de ler esse livro no dia primeiro porque fui inspirada e fui logo escrever algumas coisas. Outra coisa que adorei foram as ilustrações, muito fofinhas. E um encarte de páginas com material diferente foi de se apaixonar de vez. 

Bruna escreve muito bem e a leitura voa. A qualidade gráfica do livro é impecável. Só não dou 5 livrinhos porque senti falta de uma variedade maior de temas.
Boas leituras ilustradas,

Dani




Desafio de Leitura 2015: 
Com esse livro cumpri - * Um livro escrito por uma mulher;
                                       * Um livro de histórias curtas;
                                       * Um livro de não-ficção;







Nenhum comentário:

Postar um comentário